Sled Blog

Conteúdos de qualidade para o varejo deslizar em um mundo sem atrito entre as transações financeiras

BG 4.png

3 indicadores de análise financeira do varejo que você deve conhecer

Atualizado: 13 de jul.


Blog Sled
Economia • 10 de Ago de 2021

No varejo físico brasileiro, as mudanças econômicas e sociais impactam diretamente no sucesso dos negócios.


Para lidar com essa constante instabilidade que o mercado gera, é importante, portanto, que o varejista esteja habituado a analisar os dados extraídos dos indicadores de análise financeira, para saber exatamente quais deles realmente importam no seu dia a dia.


Essa expertise possibilita que as decisões de negócios a serem tomadas sejam muito mais assertivas.


Quando falamos em indicadores financeiros, é importante ter em mente que, é por meio deles, que o varejista tem visão de curto, médio e longo prazo sobre o seu negócio, além de também serem extremamente importantes para auxiliar no trabalho do gestor financeiro.


Dentre os inúmeros indicadores financeiros do varejo, destacamos os 3 principais indicadores que você precisa conhecer e utilizar no seu dia a dia. Confira!

São eles:


  • Ganho


  • Despesa Operacional


  • Investimento


1 — Ganho


O Ganho, ou Lucro Líquido é um indicador diferente do faturamento, já que não contabiliza apenas o total de vendas.


Nesse sentido, o Ganho é um indicador chave para o varejo físico, porque ele é responsável por medir não somente o total de vendas, como também o custo e a margem de lucro do varejista. Por que medir apenas o faturamento não é a melhor solução


Sabemos que os produtos vendidos no varejo possuem custos e preços variáveis.

Assim, caso o varejista analise apenas o faturamento, não saberá o real custo da venda de cada um dos produtos.


Por exemplo: Vamos imaginar que na última segunda-feira, o varejista de um supermercado faturou R$ 15.000,00 no dia, sendo que, destes 15 mil, R$ 2.000,00 foram em produtos importados.


Em outro dia, o mesmo varejista vendeu os mesmo R$ 15.000,00, porém, o valor em importados foi de apenas R$ 1.000,00. Qual dos dias o varejista mais faturou? Sem olhar para a margem de lucro, poderíamos dizer que nos dois, porém, a margem de lucro de produtos importados é mais baixa do que de outros itens. Ou seja: o varejista lucrou mais no segundo dia. É importante também ressaltar que, ao contrário do faturamento, o ganho feito com base na margem de lucro do varejista, mostrará não somente o volume das vendas, como também o valor restante sobre as vendas após retirar os custos fixos do varejista.




2 — Despesa operacional


Outro indicador importante é referente às despesas operacionais. Essas despesas são referentes aos custos que não são variáveis no varejo, ou seja, tudo aquilo que se gasta/investe agora para ser transformado em lucro mais adiante. Nestas despesas operacionais podemos listar:

  • Folha de pagamento dos funcionários da loja;


  • Aluguel da loja;


  • Água, luz, internet, telefone;


  • Investimento em segurança e tecnologia, como softwares ou soluções financeiras, como Sled Troco e Sled Saque;


  • Manutenção do espaço;


  • Entre outras despesas mensais.


Os custos operacionais no PDV, por exemplo, também devem ser somados e incluídos nas despesas operacionais.


Ao somarmos todas as despesas operacionais, o varejista saberá exatamente quais são os seus custos para manter o negócio em pleno funcionamento.


A dica é utilizarmos o Ganho e as Despesas Operacionais para saber o valor de faturamento. Para isso, basta somar os ganhos e deduzir as despesas operacionais.


3 — Investimento


Investimento é um indicador financeiro que muitos varejistas costumam não dar atenção. Esse dado, porém, é importante para que o empresário saiba quanto dinheiro possui investido no seu negócio. No varejo físico, principalmente em supermercados, o grande investimento do varejista costuma ser o valor de mercadoria em estoque. Porém, é comum que muitos varejistas somem e incluam o valor das mercadorias em estoque como ganho.


O grande problema nessa prática é o fato dela não ser precisa, já que o valor ganho só deverá ser contabilizado quando, de fato, o estoque for vendido.

Ao considerarmos o valor em estoque como investimento, é importante que o varejista saiba fazer a correta gestão de estoque. A gestão de estoque é essencial para garantir que o investimento do varejista seja otimizado da melhor maneira e, assim, diminuir as perdas e desperdícios, como de mercadorias vencidas. Segundo a pesquisa de perdas no varejo, realizada anualmente pela Abrappe, “as perdas representam 1,99% do faturamento líquido e 1,82% do faturamento bruto dos supermercados brasileiros.” Dentre as maiores perdas no varejo, destacam-se as perdas relacionadas com estoque, principalmente com a contagem de produtos, o desperdício de produtos vencidos ou avariados. E então, preparado para utilizar estes 3 indicadores no seu varejo? Para saber mais sobre os melhores assuntos do varejo físico, acesse este link e cadastre-se na nossa newsletter!




Assuntos

  • Economia

0 visualização0 comentário